ENÉAS LOUR É ATOR, DRAMATURGO, CENÓGRAFO E DIRETOR TEATRAL

23 de fev de 2012

10 DICAS PARA QUEM QUER ESCREVER



A canadense Margaret Atwood, autora de mais de trinta livros de ficção, poesia e ensaios críticos, publicados em diversos países (Olho de Gato, Vulgo, Grace (ganhador dos prêmios Giller, do Canadá, e Mondello, da Itália) e Assassino cego (vencedor do Booker Prize de 2000) publicou no Guardian dez dicas para escritores.
A lista é ao mesmo tempo séria e engraçada. Por um lado, algumas coisas que ela fala são básicas demais. Por outro, o que ela quer dizer, no fundo, parece, é o que está em um dos conselhos: escrever é trabalhar. Não é para ser fácil.

Então, aí vai a lista dela:
1. Leve um lápis para escrever em aviões. Canetas vazam. Mas se a ponta do lápis quebrar, você não pode apontar no avião, porque você não pode levar lâminas com você. Portanto: leve dois lápis.

2. Se a ponta dos dois lápis quebrar, você pode tentar apontar de um jeito meio improvisado com uma lixa de unhas, das de vidro ou de metal.

3. Leve alguma coisa em que você possa escrever. Papel é bom. No aperto, dá para usar pedaços de madeira ou o seu braço.

4. Se você estiver usando um computador, sempre salve os textos novos num pen-drive.

5. Faça exercícios para as coisas. A dor pode te distrair.

6. Tente manter a atenção do leitor. (Isso tem mais chance de acontecer se você puder manter a sua própria atenção). Mas como você não sabe quem o seu leitor é, isso se torna algo como atirar num peixe com um estilingue no escuro. O que fascina A vai entediar B profundamente.

7. Muito provavelmente você precisará de uma gramática básica e de um pé na realidade. Esse último conselho significa: não há almoço grátis. Escrever é trabalhar. Também é fazer apostas. Você não tem direito a plano de aposentadoria. Outras pessoas podem te ajudar um pouco, mas basicamente você está sozinho. Ninguém está te obrigando a fazer isso: você escolheu, então não reclame.

8. Você nunca vai poder ler o seu livro com a expectativa inocente que vem com a deliciosa primeira página de um livro novo, porque você escreveu aquilo. Você estava nos bastidores. Você viu como os coelhos foram colocados na cartola. Portanto, peça para um leitor amigo ou dois para dar uma olhada antes que você entregue para alguém numa editora. Esse amigo não deve ser alguém com quem você tenha um relacionamento romântico, a não ser que você queira terminar com ele.

9. Não fique empacado no meio do caminho. Se você está perdido na trama ou teve um bloqueio, volte atrás e veja onde você errou. Então, pegue outro caminho. E/ou mude de pessoa. Mude o tempo verbal. Mude a página de abertura.

10. Rezar pode ajudar. Ou ler outra coisa. Ou uma constante visualização do cálice sagrado que é a versão pronta e editada de seu livro resplandecente.


Um comentário:

Anônimo disse...

Perfeito!