ENÉAS LOUR É ATOR, DRAMATURGO, CENÓGRAFO E DIRETOR TEATRAL

9 de fev de 2011

Miniconto: CAFÉ DO TEATRO


CAFÉ DO TEATRO

(Cheguei cedo e não tinha ninguém da minha turma).
(Pedi um red e fiquei no balcão.)
(Pouca gente nas mesas: um casal,
mais um, mais dois meninos de mãos dadas.)

(O casal mais velho
- ela 30 e poucos, ele 40 e poucos -
roubam meus olhos enquanto bebo um primeiro gole
e, da coxia, observo a cena.)

Ele: Segurando as duas mãos dela nas suas.
Ela: Olhar na mesa, num cisquinho de pão caído na toalha.
Ele: Murmúrios.
Ela: Balança a cabeça: que não.
Ele: Puxa as mãos dela para si.
Ela: Tira uma deixa a outra.
Ele: Beija as unhas pintadas de azul.
Ela: Tira a última mão e olha lá para fora.
Ele: Arrasta a cadeira e o tronco para frente.
Ela: Vira para o lado e pega o copo de guaraná.
Ele: Insiste e puxa a mão de novo e olha a palma.
Ela: Percebe que estou olhando.

(Desvio meu olhar para o lado.
Para os dois meninos agora se
beijando.)

Ela: Olha para ele, cruel.
 
(Deixo as bichinhas faceiras
com seu romance em progresso
e volto a ser o único espectador
do outro romance que está falindo.)

Ele: Olha as linhas da mão dela, estendida ainda.
Ela: Suspira. Enfadada.
Ele: Examina a palma da mãos dela, como se lá estivesse desenhado o mapa da cidade.

(Como se estivesse à procura
de um ponto onde um ônibus vermelho
passasse e os levasse juntos cruzando ruas,
esquinas, avenidas até ao terminal do amor.)

(Está perdido, o pobre amante, penso eu,
com meu copo de whisky.)

(Perdido nos cruzamentos das linhas cruzadas
na palma da mão da amada.)
 
Ela: Levanta e sobe a escada para o banheiro.
Ele: Pede mais uma cerveja ao garçom.

(Olho o cara com cara de sapo.)
 
Ele: Descobrindo que não é o príncipe dela.
Ela: Passa por mim e sinto o perfume - um pouco doce demais.
Ele: Suspira e balança a cabeça, que não, que não, que não ...

(Será não vê que ela não quer mais saber dele?)

(Que quando ela voltar do banheiro
vai embora perfumando
o banco de trás de um táxi?)

(Chegam dois amigos meus.
Larguei a peça no meio.
E, assim, não vi o fim.)
 
Enéas Lour
Outubro / 2008
 

2 comentários:

Alessandra Pilar disse...

Maravilhoso. Como sempre.

sabine disse...

é muito bonito. Mas odiei.
bjs