ENÉAS LOUR É ATOR, DRAMATURGO, CENÓGRAFO E DIRETOR TEATRAL

17 de nov de 2010

Rui Werneck de Capistrano

“Sempre me sinto estarrecido diante
do poder que tem a literatura, a música,
o desenho ou a dança
de acabar com a tristeza, a decepção,
a depressão ou a confusão.

E não estou falando
de entretenimento ou distração,
mas, da possibilidade de sair inteiramente
desses estados por meio do ato de escrever,
tocar, desenhar ou dançar.

É um processo que lembra
o que há de melhor na psicoterapia.
Não fugimos ou evitamos o problema
que está nos perturbando;
ao contrário, nós o confrontamos,
munidos de um novo referencial.

A capacidade de personificar,
mitificar, imaginar, harmonizar
é uma das maiores graças
concedidas à raça humana.

Somos, portanto, capazes de conceituar
os conteúdos desconhecidos da psique,
de trabalhar com forças interiores que,
se permanecessem inconscientes,
poderiam nos esmagar.

Essa é a mágica da poesia
"que usa palavras para comunicar aquilo
que as palavras não podem comunicar".
Stephen Nachmanovitch.

É o que eu digo, leitornauta:
essas coisas que antigamente eu chamava
(tem gente que ainda chama) de arte
e hoje chamo de arghte!,
servem pra mim, em primeiro lugar.

Depois, em outra circunstância,
podem servir pra você.

Escrevo, pinto, desenho
pra não endoidar,
nem sair por aí dando milho pra bicicleta.

Minha terapia muito íntima.
A exposição é pura vaidade 
- coisa muito humana, né? -

Se alguma coisa te servir, ótimo.
A feira das vaidades é feita
de coisas caras pra mim
e, talvez, úteis pra você.

No mais,
de lojinha de 1,99 o mundo está cheio.

Rui Werneck de Capistrano



Lá em casa tinha um gato tão
preguiçoso que só fazia mi
e esperava o cachorro fazer au.

Rui Werneck Capistrano

Nenhum comentário: