ENÉAS LOUR É ATOR, DRAMATURGO, CENÓGRAFO E DIRETOR TEATRAL

28 de abr de 2010

ASSASSINO - DALTON TREVISAN

(clique na imagem para ampliar)

ASSASSINO

(Conto de Dalton Trevisan - Ilustração de Enéas Lour) 

É caminhoneiro, 
viaja por todo o país, às vezes mais de mês fora de casa. 
Quando encontra a mulher grávida, o tipo fica possesso:
- Meu? Esse aí? Nunca que é!
A moça muito religiosa, ele o único homem. 
Feliz que terá enfim companhia 
nas longas ausências do marido.
Cada vez que ele chega:
- Não é meu esse bicho.
E xinga:
- Dessa barriga o pai não sou.
Na outra viagem:
- Esconda essa pança medonha. Nada tenho com ela.
No fim da gravidez:
- O quê? Ainda penha? Não se livrou desse trambolho?
Nasce uma menina, bonita, alegre, 
sempre de fita no cabelo. 
A amiguinha da mãe que, desde então, 
evita o assédio do marido. 
A criança adora o pai, que repele o seu agrado:
- Sai pra lá, você!
Na partida, manobrando de ré o caminhão, 
ele passa pelo corpinho da menina. 
Mais que alegue inocência, para a mulher foi de propósito.
- Assassino, sim. Da tua própria filha. bandido. 
Há que queimar no inferno. Monstro!
Absolvido no inquérito, mas não por ela, 
que o recebe aos gritos de três vezes maldito.
Na viagem seguinte morre de mal súbito. 
A mulher não chora e nem veste luto:

- E um assassino merece?



2 comentários:

OTÁVIO disse...

Grande mestre o Dalton! Bonita imagem sobre o conto, Enéas. Parabens. Otávio C.

sabine disse...

ai que vontade de escrever contos.... grande Dalton. Cara ousado.